Tecnologia

Robô virtual: 6 casos que o chatbot foi um grande aliado das empresas

Por: Mutant, janeiro 17, 2019

Você já percebeu que nem sempre utilizamos todos os aplicativos que baixamos, mas os programas de mensagens instantâneas, como Facebook Messenger e WhatsApp, têm um lugar garantido em nosso celular? Essa familiaridade em interagir no mundo virtual é um dos motivos do sucesso do robô virtual, também conhecido como chatbot.

De uns anos para cá, a inteligência artificial evoluiu muito. Hoje, muitas empresas estão se beneficiando disso para otimizar o serviço de atendimento ao cliente. Se antes era preciso esperar um tempão para falar com um humano, agora o software dialoga com centenas de pessoas ao mesmo tempo e resolve inúmeras situações.

Para ter uma ideia de como as marcas estão inovando, vamos apresentar alguns cases para você se inspirar. Continue a leitura e tenha ótimos insights para o seu negócio!

1. Uber

A Uber é uma empresa que revolucionou o sistema de transporte no mundo. Além do famoso aplicativo, os desenvolvedores disponibilizaram um robô virtual integrado ao Facebook Messenger.

Lá, aparece a opção “guia transporte” e basta clicar no ícone de um carro para solicitar a corrida, adicionar a localização, destino e veículo desejado. O programa mostra as atualizações de status de passeio, rastreamento de trajeto, histórico de pagamentos e outros detalhes.

Se quiser, o usuário pode entrar em contato com um amigo para dividir a mesma viagem, saber a localização do veículo e outras informações. Nunca foi tão simples chamar um motorista.

2. American Express

A companhia desenvolveu um sistema inteligente para facilitar o atendimento. É um robô que examina o histórico de compras do cliente. Por meio dessas informações, é possível mostrar ofertas de acordo com as preferências dele.

O sistema envia sugestões de hotéis, restaurantes e opções de entretenimento na cidade escolhida sempre que alguém compra uma passagem. Com essa estratégia simples, a pessoa tem várias alternativas para escolher. Isso aumenta as chances da compra por impulso e a empresa vende mais.

3. Pizza Hut

Há quem goste mais de Twitter que de Facebook — ou o contrário. Pensando nisso, o chatbot da Pizza Hut recebe pedidos por meio das duas redes sociais. A ideia é dar mais comodidade ao público e fazer com que escolha o canal preferido para se comunicar.

Outra funcionalidade interessante é que a tecnologia é configurada para consultar o histórico de pedidos com o objetivo de oferecer promoções exclusivas, como a American Express faz. Assim, a tendência é o cliente ficar satisfeito e cada vez mais fiel.

4. Duolingo

A plataforma de ensino de idiomas desenvolveu um serviço que se popularizou entre os estudantes do mundo. É um robô que conversa com o aluno para treiná-lo a falar a língua. Ele responde às perguntas, corrige erros e apresenta diferentes opções de respostas. O mais bacana é que o programa ajuda os mais tímidos, que sentem vergonha ao falar na frente de outras pessoas.

Por enquanto, a ferramenta funciona apenas para iOS para treinar os seguintes idiomas: francês, alemão e espanhol. A promessa é de que o aplicativo ofereça outras opções de língua, rode também em Android e Windows e aceite comandos por voz. Ou seja, a inovação é uma necessidade da qual não se pode fugir.

5. eBay

Para facilitar a busca de produtos, o eBay desenvolveu o ShopBot, um robô acoplado ao Facebook Messenger que interage com o usuário. Quem acessa encontra o que deseja bem mais rápido e pode configurar as notificações que quiser receber para se manter atualizado com as ofertas.

Outra característica interessante é que o bot “aprende” com as escolhas feitas pelo comprador. Sendo assim, oferece exatamente os produtos preferidos, fato que aumenta a satisfação de quem usa o serviço e melhora o resultado das vendas.

6. Sephora

A marca de cosméticos Sephora fez um pouco diferente e desenvolveu um chatbot conectado com o aplicativo de mensagens Kik. O robô avalia produtos, recomenda a maquiagem ideal de acordo com a preferência da pessoa, tira dúvidas sobre as cores adequadas e conta outros segredinhos de beleza.

É claro que o atendimento automático não substitui o contato físico nas lojas, mas agora ficou muito mais fácil para o consumidor ter acesso às dicas rápidas de como usar uma nova máscara de cílios, como fazer um efeito gradual de sombra, usar o blush etc.

Vamos supor que alguém está interagindo com o software com o objetivo de se produzir para uma cerimônia de casamento. Bateu vontade de adquirir um determinado produto? Basta clicar no item sugerido e ser encaminhado para o carrinho de compras da Sephora. Legal, não é mesmo?

Como você viu, o robô virtual é um recurso inteligente que conversa com o público de um jeito amigável, colhe informações sobre preferências pessoais e, por esse motivo, é capaz de sugerir ofertas exclusivas para quem já tem interesse em comprar.

O que você pretende fazer para dar uma turbinada no atendimento e aumentar a satisfação e retenção dos clientes? Deixe um comentário!

    • Receba nosso conteúdo em primeira mão.